O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

28 de abril de 2017

18ª Torre de Oração: porque os celeiros de Deus estão abertos

18ª TORRE DE ORAÇÃO: PORQUE OS CELEIROS DE DEUS ESTÃO ABERTOS

Pr. Gilson Soares dos Santos

A Igreja Evangélica Congregacional de Areia – PB, realizará a 18ª Jornada de Oração Ininterrupta, que denominamos de Torre de Oração. São 24 horas, ininterruptas, de oração e adoração ao Senhor dos senhores.

A igreja se propõe a realizar esta atividade de oração, pelos menos, duas vezes por ano. Já estamos na 18ª Edição, que acontecerá neste sábado e domingo, 29 e 30 de Abril de 2017.

Para tanto, estou postando aqui algumas frases sobre oração, as quais nos levam a refletir sobre a necessidade e o valor da oração. As frases podem ser encontradas no Livro PÉROLAS PARA A VIDA, de John Blanchard, da Editora Vida.

FRASES SOBRE ORAÇÃO

“Nada está fora do alcance da oração, a não ser aquilo que está fora da vontade de Deus.” (J. Blanchard).

“Quando Deus pretende dispensar grandes misericórdias a seu povo, a primeira coisa que faz é inspirá-lo a orar.” (Matthew Henry).

“O verdadeiro segredo da oração é a oração em segredo.” (J. Blanchard).

“Deus ainda está no trono, nós ainda estamos a seus pés, e entre nós há apenas a distância de um joelho.” (Jim Elliot).

“A Bíblia é uma carta que Deus nos enviou; a oração é uma carta que enviamos a ele.” (Matthew Henry)

“Dizemos que o céu está muito longe. Mas ele está ao alcance da voz dos que lhe pertencem.” (D. L. Moody)

“Orações frias sempre se congelam antes de alcançar o céu.” (Thomas Brooks)

“Assim como o negócio dos alfaiates é fazer roupas, e o dos sapateiros é remendar sapatos, o negócio dos cristãos é orar.” (Martinho Lutero)

“Minha verdadeira estatura é a que possuo quando estou de joelhos.” (Stephen Olford).

“Nenhum homem é maior do que sua vida de oração.” (Leonard Ravenhill).

“As reuniões de oração são o marcapasso da igreja.” (C. H. Spurgeon)

“Em geral, jamais veremos muita melhoria em nossas igrejas, enquanto a reunião de oração não ocupar o lugar mais elevado na estima dos crentes.” (C. H. Spurgeon)


21 de abril de 2017

O Cristão e o "Jeitinho Brasileiro"


O CRISTÃO E O JEITINHO BRASILEIRO

Pr. Gilson Soares dos Santos

            Para introdução do assunto “o cristão e o jeitinho brasileiro”, lembramos que todo o material usado aqui foi retirado do Livro “Dando um jeito no jeitinho”, da autoria de Lourenço Stélio Rega, publicado pela Editora Mundo Cristão. Então vejamos:

3.1 – Definindo o que é jeitinho brasileiro

“É encontrar uma resposta, uma saída, para uma situação que em geral não se quer ou não se pode enfrentar; é se livrar de uma situação. É fazer com que as coisas andem de acordo com os desejos de alguém; é fechar os olhos para situações que podem prejudicar o indivíduo; é contornar as normas; é tirar vantagem de uma situação; enfim, é abrir caminho para que as coisas aconteçam da maneira como se gostaria”.[1].

            Stelio Rega continua mostrando alguns sinônimos para “jeitinho brasileiro”:

“Por baixo dos panos; apressar as coisas; contornar a situação; achar um “bode expiatório”; encontrar uma “brecha”; uma saída mais fácil, mais barata; acerto por fora; ajeitar, quebrar o galho,  “molhar a mão”, dar um ajuste, dar um empurrão ou impulso na situação; esquecer o assunto; etc.”[2].

            Quando falamos em jeitinho brasileiro, não devemos confundir com criatividade brasileira. O brasileiro é muito criativo. Dá sempre um jeito de “criar” alguma coisa para facilitar o trabalho, o estudo ou qualquer outra coisa. O jeitinho brasileiro que tratamos aqui é a “malandragem” para se dar bem, burlando leis, driblando a ética e fraudando para “facilitar as coisas”.

3.2 – Exemplos de “jeitinho brasileiro”

·         A famosa “gambiarra”, improviso, que motoristas que transportam passageiros fazem em seus carros para não colocar peça nova, colocando a vida de inocentes em risco.
·         Dar um jeitinho para não fazer os testes do DETRAN na hora de tirar a habilitação, “comprando a carteira”.
·         Na hora de vender qualquer coisa, mentir sobre o produto, “passando gato por lebre”.
·         “molhar a mão” do guarda rodoviário para não pagar a multa.
·         A famosa “mentira branca”. Quem perde prova escolar ou se atrasa pela segunda vez tem razão de sobra para “matar a vó”.
·         O jeitinho “com nota ou sem nota”. Que economiza “uma nota”.
·         As notas superfaturadas.
·         Viajar a serviço da empresa e colocar um valor de despesas de almoço e combustível maior do que aquilo que realmente foi gasto.
·         Forjar atestado médico para justificar a ausência no emprego.
·         Conseguir carteira de estudante para pagar meia entrada ou meia passagem, sem estar devidamente matriculado numa escola.

Como diz Lourenço Stélio Rega:

 “O jeito cria hábitos, influencia nossas decisões e acaba como que se tornando uma lei interior dentro de nós que quer governar as nossas escolhas. [...] o jeito é a síntese do caráter brasileiro e tornou-se uma estratégia que se espalhou pela sociedade e se fixou na vida do povo como alternativa ética diante do sistema de normas estabelecidos.”.[3]

3.3 – O jeitinho brasileiro à luz da Bíblia

            O que a Bíblia diz a respeito disso?

a)    A Bíblia condena qualquer tipo de mentira. O jeitinho brasileiro na maioria das vezes envolve mentira e engano. (Cl 3.9).
b)    A Bíblia condena a malícia. O jeitinho brasileiro é um jogo de malícias (At 13.10; Ef 4.22).
c)    A Bíblia condena “defraudar” os outros, que é a mesma coisa que fraudar, lesar dolosamente. (Mc 10.19; Lc 19.8; I Co 6.8; II Co 7.2; Tt 2.10).

3.4 – Dando um jeito no jeitinho

            Para que o cristão se livre do jeitinho brasileiro e sirva a Deus de maneira exemplar, dentro da Ética Cristã, é preciso observar o seguinte:

a)    Observe os princípios da Ética Cristã: Sobre os princípios da Ética Cristã já falamos n. Tais princípios nortearão a conduta do verdadeiro cristão nas mais diversas situações.

b)    Lembre-se que você também foi chamado para anunciar as boas novas do Evangelho: “O cristão brasileiro precisa desenvolver o espírito evangelístico, seja pela própria pregação do Evangelho, seja pela manifestação do seu testemunho pessoal. A ação redentora de Jesus na vida do cristão deve manifestar-se em sua relação aos dilemas éticos do jeito. [...] Os amigos do cristão brasileiro, seus colegas de trabalho e seus vizinhos deverão ver em sua vida prática e em sua maneira de reagir ao jeito e a manifestação da fé e da ação do Evangelho”.[4].

c)    Desenvolver uma cidadania exemplar responsável: “O cristão brasileiro precisa desempenhar o seu papel como cidadão responsável, não apenas obedecendo às autoridades, mas, numa espécie de revolução não-violenta e silenciosa, participando na sociedade de modo que as instituições desempenhem corretamente os seus papéis. [...] Na sociedade brasileira há instrumentos mediante os quais o cidadão pode contribuir para a melhoria das condições de vida. Os jornais e revistas de maior circulação no país, por exemplo, mantêm colunas para que os leitores se manifestem, opinando e reclamando. [...] O cristão brasileiro, como cidadão responsável que é, deve interceder por todos aqueles que estão investidos de autoridade e cooperar com eles no cumprimento da lei justa”.[5]

Concluindo, podemos perceber que o “jeitinho brasileiro” existe porque, para muitos, os interesses pessoais são tidos como mais importantes do que os interesses coletivos. O bem pessoal é considerado mais importante do que o bem da sociedade. Isto gera a falta de ética. Outra razão da existência do “jeitinho” é que muitas das pessoas que se declaram contra essa forma de malandragem, praticam sistematicamente, mantendo o discurso longe da prática. O cristão ético, que tem as Escrituras como a revelação de Deus para determinação dos padrões éticos, deve orar constantemente para viver o que está na Palavra, dando sempre um jeito nesse jeitinho brasileiro.



[1]  REGA, Lourenço Stelio. Dando um jeito no jeitinho: como ser ético sem deixar de ser brasileiro. São Paulo: Mundo Cristão. 2000. p.48.
[2]  Idem.
[3]  Idem. p.56-57.
[4]  Idem. p.173-174.
[5]  Idem. p.174.