O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

4 de maio de 2012

Diálogo do Pastor Gilson Sobre C. S. Lewis


DIÁLOGO DO PASTOR GILSON SOBRE:
C. S. LEWIS

     “C. S. Lewis é com razão o teísta e apologista cristão mais influente do século XX pelo fato de a maior parte de seu trabalho ter sido feito na mídia popular, inclusive em transmissões de rádio e por meio de histórias infantis”. (Norman Geisler)
      Quero aqui, em forma de diálogo, trazer algumas informações sobre este renomado cristão do século passado.

RÚBEN: Qual o nome verdadeiro de C. S. Lewis?

PR. GILSON: Clive Staples Lewis.

RÚBEN: Ele ainda é vivo?

PR. GILSON: Não. C. S. Lewis nasceu em 1898 e morreu em 1963.

RÚBEN: Antes de sua conversão ao cristianismo qual a religião de Lewis?

PR. GILSON: Ele era ateu.

RÚBEN: Ele era teólogo ou filosofo?

PR. GILSON: Lewis negou ser filósofo ou teólogo, mas era considerado um apologista e comunicador muito importante. Foi professor na Universidade de Oxford.

RÚBEN: É verdade que C. S. Lewis era panteísta? Ouvi falar que ele cria na imanência de Deus.

PR. GILSON: Não. De forma alguma. Lewis cria no Deus que é transcendente e imanente. Transcendente porque transcende espaço e tempo. Imanente por está presente e operante na criação. Porém ele não era panteísta, ao contrário, escreveu que aquele que tenta encontrar Deus pela exploração espacial é semelhante ao homem que lê ou assiste as peças de Shakespeare tentando encontrá-lo numa das personagens.

RÚBEN: Quanto à criação, parece-me que Lewis era evolucionista, isto procede?

PR. GILSON: Na verdade, Lewis aceitava uma forma teísta de evolução, mas não era evolucionista darwinista. Embora acreditasse que a criação surgiu a partir do nada, ou seja, a criação do mundo não foi a partir de matéria preexistente, Lewis também acreditava na evolução teísta.

RÚBEN: Li certa vez que C. S. Lewis considerava algumas partes da Bíblia como sendo mitologia. Até que ponto isto é verdade e como pode seus ensinamentos ser compatível com o cristianismo evangélico?

PR. GILSON: De fato, alguns ensinamentos de Lewis não se encaixam com o cristianismo evangélico, porém são poucos. Vou citar alguns aqui:

1)     Ele cria em todos os milagres do Novo Testamento, literalmente, porém negava a natureza literal de muitos milagres do Antigo Testamento. Ele admitia, no entanto, que podia estar errado quanto aos milagres do Antigo Testamento.

2)     Ele chegou a afirmar que os hebreus também tinham mitologia, como os outros povos, porém, para ele, os hebreus eram o povo escolhido, logo, sua mitologia também era a mitologia escolhida.

3)     Para ele, as memórias da corte de Davi são menos históricas do que o evangelho de Marcos e o Livro de Atos.

4)     Ele questionou a historicidade do Livro de Jó. Achava que o Livro de Jó começava com um homem desligado da história, vivendo num país do qual a Bíblia não diz nada. Ele diz isso em cristianismo puro e simples.

5)     Lewis tinha uma posição bastante negativa com relação a vários salmos. Ele chega a chamar alguns salmos de “diabólicos” em reflexões sobre os salmos. Rejeitou a autoria davídica de todos os salmos, exceto do salmo 18.

RÚBEN: Quais são as principais obras de C. S. Lewis?

PR. GILSON: Vejamos as principais obras de Lewis:

1)     As Crônicas de Nárnia. São sete livros de ficção: O leão, a feiticeira e o guarda-roupa; O príncipe na Ilha mágica; A viagem do peregrino da alvorada; O sobrinho do feiticeiro; O cavalo e seu menino; A cadeira de prata; A última batalha.

2)     Uma trilogia especial que trata da batalha de Deus contra o mal. Longe do planeta silencioso; Perelandra; Aquela força hedionda.

3)     História de ficção sobre a ação diabólica e rebelião contra Deus: Cartas do Diabo ao seu aprendiz.

4)     Um série de programas de rádio na BBC que se transformou num clássico apologético Cristianismo Puro e Simples.

5)     Obras de apologética e filosofia. Deus no banco dos réus; Estudos em literatura medieval e renascentista; A abolição do homem; O problema do sofrimento.

6)     Sua autobiografia. Surpreendido pela alegria.

7)     A história comovente de sua crise de fé, após a morte de sua esposa. Uma dor observada.

8)     Muitas correspondências pessoais. Cartas a uma senhora americana.


O que podemos dizer é que C. S. Lewis foi um grande apologista que expressou verdades profundas em linguagem simples e atingiu o coração de milhões de pessoas

(Para quem quer saber mais sobre C. S. Lewis recomendo a ENCICLOPÉDIA DE APOLOGÉTICA, Norman Geisler, Editora Vida.)