O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

24 de dezembro de 2012

É Natal, mas esqueceram de mim


É NATAL, MAS ESQUECERAM DE MIM

Pr. Gilson Soares dos Santos

Um dos grandes sucessos de bilheteria foi o filme "esqueceram de mim", que narra a experiência de uma família que viaja no natal, e, em meio a correria e agitação com os preparativos, termina por esquecer um dos filhos em casa.

Um fato parecido aconteceu com os pais de Jesus, José e Maria, que o esqueceram em Jerusalém quando foram para a festa, somente reencontrando-o três dias depois, conforme ficou registrado pelo médico Lucas no evangelho que leva o seu nome, Lucas 2.41-52.

Atualmente continua acontecendo o mesmo: grande parte das pessoas de hoje, preocupada com tantas coisas para comemorar o natal, tem esquecido o principal personagem do natal, Jesus Cristo.

Veja se procede:

Lembramos de presentear todo mundo, seja diretamente ou participando dos famosos "amigos secretos". Presentes caros ou baratos, mas são presentes. Afinal, natal é tempo de presentear.

Qual o presente que temos dado a Jesus? Se o natal é verdadeiro, então quem deve receber o presente é Jesus. É Ele que é digno de receber nossos presentes. Assim os magos fizeram, ofereceram-lhe "ouro, incenso e mirra".

Lembramos de enfeitar nossas casas. Tem casa que já tá parecido circo com tanto enfeite. São árvores de natal, pisca-pisca, decorações coloridas, pintura nova na casa, até móveis são trocados.

Se a festa é de Jesus, por que a casa dele continua em ruínas? Por que as pessoas não lembram de fazer algo pelos lugares onde os fiéis se reúnem para adorar ao Senhor? Por que muitos nem irão ao templo adorar ao Senhor? Sem falar que o maior templo para abrigar o Senhor Jesus é o nosso ser, o nosso coração, pois nosso corpo é templo do Espírito Santo. Muitos nem pensam em fazer uma faxina na alma, purificando o ser de tudo aquilo que é pecado. 

Muitos lembram de falar do papai Noel, essa fábula intrometida que teima em roubar a glória para si. É gente com a touca de papai Noel, é gente com as cores que lembram o papai Noel. Até em igrejas se vê essa figura ilusória.

E Jesus? Parece um coadjuvante que, vez por outra, aparece no enredo que dá honras ao papai Noel. Jesus não tem cores que possam lembrá-lo, as mensagens que falam do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo são mensagens que idolatram um menino numa manjedoura, estampado num presépio natalino, algo muito vago. Jesus é a figura principal no natal. É ele que deve ser lembrado, pregado, honrado, anunciado, desejado. À Ele toda a glória e honra e louvor, pelos séculos dos séculos.

Lembramos dos manjares de natal. Uma ceia com a família. Muitos se alimentam do jantar de Natal, regado à vinho, champagne, cerveja, etc. As mais saborosas guloseimas, panetones, chocotones, queijos, frutas e até um "peru de natal", uma iguaria que se faltar na mesa, para muitos, não é natal.

E o alimento da Palavra de Deus, onde fica? Nessas festas têm de tudo, menos orações, menos Palavra de Deus. As pessoas enchem seus estômagos e continuam com a alma faminta, pois não se alimentam da Palavra do Cristo, o Filho do homem.

Lembramos da roupa nova, exibicionista, que não se "acanha" diante dos holofotes, afinal de contas, é roupa nova. Não importam quantas dívidas sejam contraídas, o importante é que tem que ter a roupa nova, senão deixa de ser natal, pois a nova roupa lembra festas, lembra o natal desejado e prenuncia um ano novo cheio de realizações.

E nossas vestes espirituais? É nelas que Jesus está interessado. Não há nenhum interesse do homem do natal em "sepulcrus caiadus", mas na renovação do homem interior.

Não há nenhum pecado em presentearmos uns aos outros; não é nenhuma iniquidade pintarmos nossas casas, trocarmos os móveis e enfeitarmos com modéstia; não existe concupiscência em comer bem, juntarmos a família, os amigos e algumas famílias carentes e nos alimentarmos de uma ceia permitida por Deus; não há nenhum mal em nos vestirmos, com modéstia, com roupas boas e bonitas.

Mas há um pecado enorme que pesa sobre os habitantes da terra: esqueceram Jesus. Ele tem sido trocado pelo papai Noel ou por outros elementos estranhos. Jesus é a principal figura do natal. Ele é a realidade do natal.

Do jeito que a coisa anda, parece até que ouço Jesus dizer: "É natal, mas esqueceram de mim".