O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

5 de dezembro de 2012

Missões: orando, indo ou contribuindo?


MISSÕES: ORANDO, INDO OU CONTRIBUINDO?

Pr. Gilson Soares dos Santos

Ouvi, certa vez, uma pessoa dizer que existem três formas de fazer missões: Orando ou indo ou contribuindo. Discordei imediatamente, em meus pensamentos, é claro, pois não existem três alternativas.
     
Muita gente acha que podemos optar: orar por missões, fazer missões ou contribuir com missões. Não existem três alternativas para nossa escolha. Em missões, eu preciso fazer as três coisas simultaneamente, obrigatoriamente. Missões é um empreendimento divino, é um empreendimento inteiro, não vem cheio de pequenas alternativas.
     
Eu tenho que orar, necessariamente, diuturnamente, por missões. Preciso pedir por aqueles que estão indo onde hoje eu não posso ir. Preciso clamar ao Senhor da Seara que envie novos obreiros. Eu preciso orar enxergando a soberania de Deus em todas as coisas. Eu preciso orar, entendendo que o desafio de missões é algo grandioso. Minha oração abrange minha vizinhança, mas também vai além das pessoas com as quais estou familiarizado. Eu preciso orar pela evangelização que vem cercada de cuidados culturais. A medida que oramos, e nosso coração se derrama diante de Deus por missões, o Espírito dirige nossos pensamentos à oração cada vez mais precisa e eficaz. Precisamos, sim, orar por missões.
     
Mas eu preciso ir também fazer missões: pregando para os meus parentes, evangelizando meus vizinhos, anunciando o evangelho em minha rua, no meu bairro, na minha comunidade e na minha cidade inteira. Preciso pregar o evangelho, com muita sabedoria e prudência, prestem atenção nisso, em meu ambiente de trabalho, na minha escola, no rádio, nos cultos ao ar livre, etc. Não devemos apenas orar. Onde pudermos ir, então iremos.
     
Mas eu preciso também fazer missões contribuindo. Com isso, estou sustentando, com minha oferta movida pelo amor, missionários e missionárias que estão a indo a lugares nos quais não posso ir. Eles estão oferecendo suas vidas e eu estou apenas oferecendo o meu pouco, que é a ajuda financeira, acompanhada de muita intercessão por suas vidas.
     
Missões é isso: eu vou onde posso ir, eu contribuo com aqueles que vão onde não posso ir, e oro por mim e por todos os missionários e missionárias que, perto ou longe, pregam o evangelho.. Oro pela igreja sofredora, oro por aqueles que sofrem perseguições por causa do evangelho.
     
Quando falar em missões, não acresce o “ou”. Ore, vá e contribua com sua oferta.