O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

20 de agosto de 2013

Aprendendo sobre a Santa Ceia do Senhor

 
APRENDENDO SOBRE A SANTA CEIA DO SENHOR
 
Pr. Gilson Soares dos Santos
 
INTRODUÇÃO
 
A Ceia do Senhor é uma das duas ordenanças do Senhor Jesus. A primeira é o Batismo, a segunda, a Ceia do Senhor.
 
01 O QUE É A CEIA DO SENHOR?
 
A Ceia do Senhor, junto com o batismo, é uma das duas ordenanças ou sacramentos propostos pelo próprio Senhor. É observado, portanto, por todos os corpos cristãos, exceto por alguns grupos como os Quakers.
 
02 QUANDO FOI INSTITUIDA A CEIA DO SENHOR?
 
A Ceia do Senhor foi instituída pelo próprio Cristo (Mt 26.26-29; Mc 14.23-26). Paulo diz claramente que foi o Senhor Jesus em I Co 11.23.
 
A origem da Ceia do Senhor é relatada nos Evangelhos sinóticos e na II Carta de Paulo aos Coríntios.
 
03 COMO A CEIA DO SENHOR É CHAMADO?
 
Existem vários nomes bíblicos para a Ceia do Senhor:
 
A – A Ceia do Senhor: Nos círculos protestantes, este é o nome mais comum. Subentende-se que na passagem indicada o apostolo quer fazer aguda distinção entre o sacramento e as agapae que os coríntios relacionavam com ele e nas quais cometiam abusos, deste modo tornando ambos incompatíveis. A ênfase especial recai no fato de que a Ceia é do Senhor não é uma ceia para a qual os ricos convidam os pobres e depois os tratam mesquinhamente, mas uma festa na qual o Senhor oferece provisão a todos com abundância.
 
B – A Mesa do Senhor: Nome que se acha em 1 Co 10.21.
 
C – O Partir do Pão: Expressão utilizada em At 2.42; cf. também At 20.7. Embora seja uma expressão que, com toda a probabilidade, não se refere exclusivamente à Ceia do Senhor, mas também às festas do amor, certamente inclui também a Ceia do Senhor.
 
D – Ação de graças: Termos derivados de 1 Co 10.16; 11.24. Em Mt 26.26, 27 lemos que o Senhor tomou um pão e abençoou, e tomou um cálice e deu graças. Com toda a probabilidade, as duas palavras foram usadas uma pela outra e se referiam a uma bênção e a uma ação de graças combinadas. O cálice da ação de graças e da bênção é o cálice sagrado.
 
03 TODOS OS GRUPOS QUE CELEBRAM A CEIA DO SENHOR TÊM O MESMO ENTENDIMENTO?
 
Não. Existem pensamentos diferentes com relação à Ceia do Senhor, vejamos:
 
A – A Doutrina da Transubstanciação
 
Esse ensino é defendido pelos Católicos Romanos.
 
Para a Igreja Católica, o pão, nas mãos do sacerdote, se transforma em corpo e sangue do Senhor Jesus. Quando o católico engole a hóstia, segundo o catolicismo, ele está engolido o corpo de Cristo, uma espécie de “teofagia”.
 
B – A Doutrina da Consubstanciação
 
Foi ensinada por Lutero.
 
Segundo ele, o pão é mesmo pão. O vinho é mesmo vinho. Mas uma vez consagrados, e o fiel os tomando, de alguma maneira eles se transformam em Jesus.
 
Segundo os luteranos, há na Ceia do Senhor uma misteriosa e miraculosa presença real da pessoa completa de Cristo, corpo e sangue, nos elementos, sob eles e junto deles. Para eles, o corpo de Cristo estão “em, com e sob” o pão da Ceia do Senhor.
 
C – A Teoria da Presença Espiritual (reformada)
 
O ensino dos reformadores, atribuído a Calvino, parte do seguinte princípio:
 
C1 – O pão e o vinho simbolizam o corpo e o sangue de Cristo;
 
C2 – O pão e o vinho são um sinal visível e físico da presença invisível e espiritual do Senhor.
 
C3 – Calvino se referia aos elementos (pão e vinho) como símbolos da presença real e espiritual de Cristo.
 
04 QUAL A POSIÇÃO DOS CONGREGACIONAIS SOBRE A CEIA DO SENHOR?
 
Nossa posição é bíblica. Expressamos nosso pensamento sobre a ceia do Senhor na Declaração de Savoy:
 
“Os que comungam com dignidade, participando externamente dos elementos visíveis deste sacramento, também então internamente pela fé, realmente e de fato, se bem que não carnal e fisicamente, mas espiritualmente, recebem e se alimentam do Cristo crucificado e de todos os benefícios de sua morte; então o corpo e o sangue de Cristo não estão, corporal ou carnalmente, nos elementos, pão ou vinho, nem com eles, nem sob eles, mas presentes nessa ordenança espiritualmente à fé dos crentes de modo tão real como os próprios elementos estão presentes aos seus sentidos.” (Declaração de Savoy Cap XXX).
 
Sobre a Doutrina Católica da Transubstanciação, a igreja congregacional expressa também o que está na Declaração de Savoy:
 
“A doutrina que defende uma transformação da substância do pão e do vinho na substância do corpo e do sangue de Cristo (comumente chamada Transubstanciação), por meio da consagração por um sacerdote, ou por algum outro meio, é repugnante não somente à Escritura, mas até mesmo ao senso comum e à razão; destrói a natureza do sacramento, e tem sido a causa de infindáveis superstições, e de idolatrias até grosseiras.”
 
05 QUEM PODE PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR?
 
A – Todos aqueles que são nascidos de novo, batizados, que estão em comunhão com Deus, seguindo os mandamentos e princípios da Palavra de Deus.
 
B – A Declaração de Savoy diz: “Todas as pessoas ignorantes e ímpias, como são incapazes de desfrutar de comunhão com o Senhor, são também indignas de sua mesa, e não podem, sem grave pecado contra Cristo, participar desses santos mistérios nem a eles ser admitidas, enquanto permanecerem nesse estado; outrossim, quem receber indignamente torna-se réu do corpo e do sangue do Senhor, comendo e bebendo para sua própria condenação.”
 
06 O QUE MAIS PODEMOS APRENDER SOBRE A CEIA DO SENHOR?
 
A – Existem igrejas cuja Ceia do Senhor é Restrita: Somente os membros daquela denominação podem participar.
 
B – Existem igrejas onde a Ceia do Senhor é Ultra-Restrita: Somente os membros daquela Igreja Local podem participar. A celebração da Ceia é feita à portas fechadas e num horário especial.
 
C – Existem igrejas onde a Ceia do Senhor é Livre. Crente de qualquer denominação, genuinamente evangélica, que seja batizado, membro de igreja e esteja em plena comunhão com Deus e com sua igreja, pode participar.
 
D - Recorrendo ao Texto de I Co 11.23-34, podemos encontrar o seguinte:
 
D1 – Não devemos participar da Ceia do Senhor indignamente.
 
D2 – Quem participa da Ceia do Senhor indignamente, contrai sobre si juízo e enfermidades.
 
D3 – Participar indignamente significa estar em pecado.
 
D4 – A Ceia lembra a morte do Senhor, até que Ele venha.
 
CONCLUSÃO
 
A Ceia do Senhor deve ser celebrada sempre com muita reverência, seriedade e compromisso no Evangelho do Senhor Jesus.