O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

2 de junho de 2012

As Origens da Hermenêutica no deus Hermes


Gilson Soares dos Santos

     A hermenêutica encontra explicação para sua origem no deus Hermes. Os verbos hermeneuein e o substantivo hermeneia apontam para o deus-mensageiro alado.
        O recém-nascido filho de Maia (véu do descobrimento) já se desliga das faixas que o enrolavam, num sinal claro do poder de ligar e desligar, que é uma das funções da hermenêutica fazer uma ponte (ligação) para a compreensão.
        Hermes rouba o gado de Admeto, que é protegido de Apolo, porém seu paradeiro é descoberto, com a prova de que o gado havia sido roubado pelo infante. Apolo apela para Zeus, que procura interrogar o menino, porém este admite ser interrogado, alertando, porém, que não estaria obrigado a dizer toda a verdade. Em se tratando da hermenêutica, assim acontece, não há garantia de que toda a verdade seja desvendada.
          Em mais uma de suas astúcias o deus-mensageiro-alado, após manufaturar uma lira de casca de tartaruga chega a barganhar com Apolo, em seguida, ao confeccionar a “flauta de Pã”, consegue o caduceu de ouro de Apolo. Isso fez de Hermes um possuidor da arte da divinatória. Essa sua astúcia em barganhar, bem como o ardil e a habilidade de trapacear, protegendo comerciantes e ladrões, fornece uma ligação com a utilidade que reside na hermenêutica.
         A idéia que a hermenêutica traz em prestar serviço aos homens, em sua interpretação, está ligada em sua origem à tarefa que pesava sobre Hermes de ser companheiro destes.
Sua missão em ser mensageiro entre os deuses e os homens, entre o além e o aquém está intimamente entrelaçado no propósito da hermenêutica em transcrever a mensagem, tornando-a inteligível ao homem.
          A evolução de Hermes para deus protetor das estradas, guardião dos caminhos, com a possibilidade de atravessar as estradas da vida ou os caminhos do além, atravessando trevas, sugere o poder que a hermenêutica tem de conduzir na obscuridade, de dar á luz a um texto obscuro.
        O poder de ligar e desligar, a limitação diante da verdade, a astúcia e habilidade, a prestação de serviços, ora protegendo, ora guiando, e sua missão de mensageiro, servem como analogia para a hermenêutica.