O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

29 de julho de 2012

O Cristão e as Eleições


O CRISTÃO E AS ELEIÇÕES
Provérbios 28.12

12 Quando triunfam os justos, há grande festividade; quando, porém, sobem os perversos, os homens se escondem. (Pv 28.12)


Pr. Gilson Soares dos Santos


INTRODUÇÃO

Estamos em um ano de eleições. Infelizmente, muitos crentes não sabem como proceder.
Calvino disse que: “A função da política é fazer que as leis dos homens se aproximem da lei de Deus”.
Quando trata-se do crente e a política, existem alguns extremos:

- Completa alienação: Existem crentes que repugnam política. Não querem saber, não se informam sobre o processo político, não sabe quem são os candidatos. Na verdade, são apolíticos. Porém têm que votar. Acabam votando errado devido essa desinformação.

- Completa adesão: Esse é outro extremo. São aqueles que se envolvem tanto com a política que chegam até a esquecer de Deus. Envolvem-se tanto que maculam o nome de cristão que têm. Contraem intrigas com muitos, difamam o próximo, granjeiam inimizades, etc.

- Completa inadequação: É outra maneira errada de estar na política. Adotam a filosofia do “É dando que se recebe”. É o papel daquele que busca favorecimentos. Não importa de que lado venha.

Estabeleceremos, nesse estudo, algumas diretrizes para que os crentes saibam como proceder nas eleições, sem ferir os princípios bíblicos e éticos.

1 – Entenda a posição da liderança da igreja em não ceder o púlpito para políticos

Infelizmente alguns líderes cedem o púlpito de suas igrejas para discurso de políticos. Isso é biblicamente errado. O púlpito é lugar sagrado. O púlpito existe para que dele seja pronunciada a lei do Senhor. Vejamos o que está em Ne 8.2-4. Onde o texto nos diz que o púlpito foi feito exclusivamente para que a Lei do Senhor fosse proferida nele.

2 Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres e de todos os que eram capazes de entender o que ouviam. Era o primeiro dia do sétimo mês.
3 E leu no livro, diante da praça, que está fronteira à Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens e mulheres e os que podiam entender; e todo o povo tinha os ouvidos atentos ao Livro da Lei.

4 Esdras, o escriba, estava num púlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; estavam em pé junto a ele, à sua direita, Matitias, Sema, Anaías, Urias, Hilquias e Maaséias; e à sua esquerda, Pedaías, Misael, Malquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mesulão. (Ne 8.2-4)


2 – Ore antes de votar, embora você já tenha um candidato

Orar é sempre a melhor solução. Porque:

a) Precisamos que o escolhido seja da vontade de Deus, e não da nossa (Mt 6.10).

10 venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; (Mt 6.10)

b) A Bíblia nos diz que Deus é quem estabelece os governos e também quem os depõe (Dn 2.20,21; Rm 13.1), para isso, no Brasil, ele o faz por meio do nosso voto. Por isso precisamos orar antes de votarmos.

20 Disse Daniel: Seja bendito o nome de Deus, de eternidade a eternidade, porque dele é a sabedoria e o poder;
21  é ele quem muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis; ele dá sabedoria aos sábios e entendimento aos inteligentes. (Dn 2.20,21)

1 Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. (Rm 13.1).

3 – Jamais venda seu voto

O voto do crente deve ser dado de forma consciente.

a) Devemos pensar no bem-estar da população e não em interesses pessoais (Jr 29.7)

7  Procurai a paz da cidade para onde vos desterrei e orai por ela ao SENHOR; porque na sua paz vós tereis paz. (Jr 29.7)

b) O Senhor Deus condena a compra e a venda de votos (Am 2.6; 8.5,6)

6 Assim diz o SENHOR: Por três transgressões de Israel e por quatro, não sustarei o castigo, porque os juízes vendem o justo por dinheiro e condenam o necessitado por causa de um par de sandálias. (Am 2.6)

5 dizendo: Quando passará a Festa da Lua Nova, para vendermos os cereais? E o sábado, para abrirmos os celeiros de trigo, diminuindo o efa, e aumentando o siclo, e procedendo dolosamente com balanças enganadoras,
6  para comprarmos os pobres por dinheiro e os necessitados por um par de sandálias e vendermos o refugo do trigo? (Am 8.5,6)

4 – Observe o testemunho de vida dos candidatos

A Bíblia nos mostra como fica a nação, o estado, a cidade quando o ímpio governa.

a) Segundo o texto de Jó 34.30, o ímpio ilude o povo.

30  Para que o ímpio não reine, e não haja quem iluda o povo. (Jó 34.30)

b) O salmista pedia para Deus livrá-lo das mãos do ímpio e do poder do homem injusto (Sl 71.4)

4  Livra-me, Deus meu, das mãos do ímpio, das garras do homem injusto e cruel. (Sl 71.4)

c) A Bíblia nos mostra que no governo do ímpio o povo geme (Pv 28.12,15; 29.2)

12 Quando triunfam os justos, há grande festividade; quando, porém, sobem os perversos, os homens se escondem.
15 Como leão que ruge e urso que ataca, assim é o perverso que domina sobre um povo pobre. (PV 28.12,15)

2 Quando se multiplicam os justos, o povo se alegra, quando, porém, domina o perverso, o povo suspira. (PV 29.2)

d) É preciso também saber que nem todo político que surge com nome de crente, é verdadeiramente cristão. Muitos usam esse nome apenas para elegerem-se. Para esses políticos que são lobos vestidos de ovelhas Deus diz o que está no Salmo 50.16-21.

16 Mas ao ímpio diz Deus: De que te serve repetires os meus preceitos e teres nos lábios a minha aliança,
17  uma vez que aborreces a disciplina e rejeitas as minhas palavras?
18  Se vês um ladrão, tu te comprazes nele e aos adúlteros te associas.
19  Soltas a boca para o mal, e a tua língua trama enganos.
20  Sentas-te para falar contra teu irmão e difamas o filho de tua mãe.
21  Tens feito estas coisas, e eu me calei; pensavas que eu era teu igual; mas eu te argüirei e porei tudo à tua vista. (Sl 50.16-21)

É preciso ter a sabedoria de Deus, num ano em que o “pai da mentira” (Jo 8.44) está usando seus filhos. Oremos pelo nosso país.

5 – Entenda que um cristão pode ser candidato a qualquer cargo

Muitas pessoas acreditam que um crente não deve estar envolvido em política nem se candidatar a qualquer cargo eletivo.

Esse pensamento está errado, do ponto de vista bíblico e da história da igreja cristã.

5.1 - Pessoas na Bíblia que exerceram cargos de governo
  • José foi governador do Egito.
  • Os reis de Israel eram governantes, e isso é do campo da política, e eram servos de Deus.
  • Daniel e seus três amigos exerceram cargos no governo da Babilônia.
  • O Etíope era era tesoureiro da rainha de Candace.
  • Etc.

 5.2 - Os puritanos entendiam muito bem a participação na vida política e social
  • Os puritanos não eram obscurantistas.
  • Eles aceitavam a sociedade como algo ordenado por Deus. Que precisa de um governo.
  • Na Inglaterra, os Puritanos tornaram-se fortes o suficiente para exercer a influência dominante no governo.

CONCLUSÃO

     Se realmente o cristão observar esses princípios, entendendo que o púlpito não pode ser lugar de pronunciamento político, predispondo o coração para orar antes de escolher o candidato e antes de votar, mantendo a ética de nunca vender seu voto, buscando observar a vida de cada político e não colocando obstáculo sobre o cristão ser candidato, certamente as coisas acontecerão de maneira acertada.
     Peçamos a Deus muita sabedoria nesse ano de eleições.