O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

10 de maio de 2013

Um livro muito estranho


UM LIVRO MUITO ESTRANHO

Pr. Gilson Soares dos Santos

Olá queridos leitores do nosso blog, hoje trago para vocês as refutações do Pr. Paulo Romeiro ao livro “Como compreender o Seu Potencial, a Descoberta do Verdadeiro Eu”, escrito por Myles Munroe e publicado por Koinonia Comunidade e Edições, 1993. Segundo Romeiro, o livro tem problemas doutrinários do começo ao fim, e ele pontua alguns desses problemas doutrinários, apresentando as refutações bíblicas:

"Assim, Deus criou você para ser onipotente" (p. 23).

Resposta bíblica: Não encontramos em qualquer parte da Bíblia que Deus tenha criado alguém para ser onipotente. A onipotência é um atributo exclusivo e incomunicável da deidade. Observe as palavras de Jesus: "Mas ele respondeu: Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus" (Lc 18:27). Veja ainda Jó 42:2.

"Acreditamos que nós não servimos para nada ou que não temos valor. Jesus disse: 'Nada disso. Eu vim para mostrar a você que você é mais do que você pensa que você é"' (p. 25).

Resposta bíblica: Alguém pode até pensar que eu estou sendo chato demais ao destacar esta frase do livro para refutá-la à luz da Bíblia. Entretanto, o autor faz algo extremamente perigoso, exegeticamente falando. Ele coloca palavras nos lábios de Jesus. De onde ele tirou estas palavras? Não há qualquer lugar na Bíblia onde Jesus tenha dito isto. Trata-se portanto de revelação extrabíblica. Ora, se alguém começa a fazer isso e não é questionado, a pessoa poderá ir longe demais e outros seguirem o seu mau exemplo.Aqui vemos que Myles acrescenta ao texto bíblico e isto é biblicamente inaceitável.

"A maioria de nós quer ser como Jesus. Isso não é o que Deus quer. Deus quer que nós sejamos como Cristo. Jesus veio para nos mostrar como Cristo se parece quando ele surge em forma humana" (p. 28-9).

"Jesus foi a manifestação humana do Cristo celestial" (p. 29).

"Quando queremos encontrar Cristo, Deus nos mostrará a Igreja. Entretanto, nós não podemos aceitar isso, porque acreditamos que Cristo está no céu. Não, ele não está. Jesus está no céu" (p. 29).

Resposta bíblica: O autor comete erros gravíssimos com as declarações acima. Primeiro, ele divide a pessoa do Senhor entre Cristo e Jesus. Isto está mais para os ensinos da Nova Era do que para a teologia bíblica. Em Cristo há uma só pessoa com duas naturezas: a divina e a humana. A Bíblia diz que Jesus é o Cristo (Lc 2:11) e morreu como o Cristo (Rm 14:9 e 1 Co 15:3). Segundo, ao afirmar que Cristo não está no céu, o autor contradiz a Palavra de Deus em Romanos 8:34 e Colossenses 3:1.

"O corpo de Lúcifer foi criado com tubos internos para que toda a vez que ele levantasse uma asa, um som saísse na forma de música (...). Assim que ele começava a abanar suas asas os anjos começavam a cantar" (p. 43).

Resposta bíblica: Que absurdo! Onde está isto na Bíblia? Esta é a falácia da revelação extra-bíblica (um dos exemplos disso tem acontecido nos seminários de batalha espiritual, onde nomes de demônios que não estão na Bíblia são ensinados por revelação) ou do argumento do silêncio (um exemplo aqui é a especulação que alguns fazem sobre a vida de Jesus dos doze aos trinta anos de idade. Desde que a Bíblia não diz qualquer coisa a esse respeito, acabam criando suas próprias histórias). Ora, todas as nossas regras de fé e prática devem estar baseadas nas Escrituras. Onde e quando a Bíblia se cala, devemos nos calar também.

"Nós sempre existimos. No estado anterior, éramos invisíveis, mas mesmo assim já existíamos" (p. 82).
Resposta bíblica: Esta é mais uma declaração que contraria o ensino das Escrituras. Aliás, os mórmons também crêem na mesma coisa, na preexistência do ser humano. Ao contrário do que diz o autor, a Palavra de Deus declara em Zacarias 12:1: "Fala o SENHOR, o que estendeu o céu, fundou a terra e formou o espírito do homem dentro dele". Veja ainda 1 Coríntios 15:46, que também refuta tal crença errônea: "Mas não é primeiro o espiritual, e, sim, o natural; depois o espiritual".

(Romeiro. Paulo, Evangélicos em crise: decadência doutrinária na igreja brasileira. 4ed. São Paulo: Mundo Cristão, 1999)