O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

21 de novembro de 2013

Sobre o Adventismo do Sétimo Dia: O Pastor Gilson Responde

SOBRE O ADVENTISMO DO SÉTIMO DIA: O PASTOR GILSON SOARES RESPONDE
 
Pr. Gilson Soares dos Santos
 
Entre as inúmeras seitas religiosas que se autodenominam cristãs está os Adventistas do Sétimo Dia. Uma denominação religiosa, travestida de igreja cristã, que alega seguir os ensinamentos de Cristo, mas busca base para sua sustentação nas palavras da sua profetisa, Ellen G. White, uma mulher considerada por muitos como hebefrênica e cheia de contradições em suas supostas visões.
 
Estarei, nesse post, respondendo a perguntas feitas por pessoas que encontro no dia a dia e que me indagam sobre os ensinos dos sabatistas. Os nomes das personagens interlocutoras são fictícios, mas as interrogações são verdadeiras.
 
BARTH: A Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma igreja evangélica?
 
PR. GILSON: Não. Não é considerada uma igreja evangélica.
 
BARTH: Por quê?
 
PR. GILSON: Seus ensinos estão muito distantes do que poderíamos considerar como ensinos evangélicos.
 
MARILENA: Ela é uma denominação nova?
 
PR. GILSON: Não. A Igreja Adventista tem sua origem no século XIX.
 
MARILENA: É possível fazer um resumo histórico, e rápido, sobre as origens dos adventistas?
 
PR. GILSON: Podemos. Então, vejamos o seguinte:
 
A – Tem início quando um pastor, de origem Batista, chamado Guilherme William Miller tenta calcular quando se dará a segunda vinda de Cristo, a partir de interpretações de textos no livro do profeta Daniel.
 
B – Com base em cálculos, no ano de 1818, ele previu que Cristo voltaria em 1843.
 
C – Isso teve um impacto muito grande sobre as pessoas que o ouviram, de tal maneira que muitos crentes, de diferentes igrejas, doaram suas propriedades, abandonaram os seus afazeres e se prepararam para aguardar a volta de Cristo no dia 21 de Março de 1843.
 
D – Cristo veio? Claro que não. Então Miller admite que houve um pequeno erro de cálculo e remarca a volta de Cristo para o ano seguinte, 1844.
 
E – Aconteceu a volta de Cristo? Nada aconteceu. Miller remarca para 22 de Outubro de 1844. Outra vez, se decepciona e causa decepção e revolta naqueles que confiaram em seus cálculos.
 
F – Guilherme Miller admite seu erro, nas seguintes palavras: “Acerca da falha da minha data, expresso francamente o meu desapontamento... esperamos naquele dia a chegada pessoal de Cristo; e agora, dizer que não erramos, é desonesto! Nunca devemos ter vergonha de confessar nossos erros abertamente”.
 
G – Miller desistiu da empreitada, mas alguns de seus seguidores estavam dispostos a continuar remarcando a volta de Cristo. Um dos seus seguidores, Hiram Edson, afirmou que Miller não havia errado a data, mas sim o local onde Cristo voltaria. Segundo Hiram Edson, na data marcada por Miller, Cristo voltou, mas sua volta se deu no santuário celestial, para fazer uma obra de purificação ali.
 
H – Miller aceitou a nova interpretação? Não. Contrariando Hiram Edson, Miller disse: “Não tenho confiança alguma nas novas teorias que surgiram no movimento”. Guilherme Miller morreu como cristão humilde e consagrado, tendo abandonado o movimento.
 
I – Três grupos deram continuidade à seita, mas apenas dois se destacou: o primeiro, liderado por Joseph Bates; o segundo, pela senhora Ellen White, que afirmava ter o dom de profecia e que por mais de meio século exerceu influência sobre os adventistas, e ainda exerce.
 
FRANCISCO: O principal ensino dos adventistas é a guarda do sábado, eles estão errados nesse ensino?
 
PR. GILSON: Vejamos o seguinte: 1) Como essa doutrina se originou; 2) Porque ela não tem sustentação.
 
1) Como se originou: A observância do sábado tomou força quando a senhora White disse ter tido uma “revelação”, segundo a qual Jesus descobriu a arca do concerto e ela pôde ver dentro as tábuas da lei. Diz ela que viu o quarto mandamento, que é a observância do sábado, no centro da arca, rodeada por uma auréola de luz.
 
2) A guarda do sábado não tem sustentação: Os adventistas tentam ensinar que a guarda do sábado é importante para nossa salvação. Porém não há sustentação bíblica para isso.
 
a.     Porque a guarda do sábado é um pacto eterno entre Deus e o povo de Israel. A igreja não está incluída nesse pacto (Vejamos Ex 31.12-17).
 
Veja que a palavra é dirigida aos “filhos de Israel”. Deus disse que a guarda do sábado seria um sinal entre Deus e o povo de Israel.
 
b.     Porque os discípulos não guardaram o sábado (Mc 2.23-28)
 
Veja que, ao colherem espigas, os discípulos estavam trabalhando. Estavam fazendo tarefa semelhante ao rapaz que apanhava lenha e foi castigado por isso (Nm 15.32-36). Se o rapaz foi apedrejado porque estava apanhando lenha no dia de sábado, por que os discípulos não foram?
 
c.     Porque Jesus, como Senhor da Igreja, não guardou o sábado (Jo 5.16-18).
 
- Veja que o texto diz que Jesus foi acusado de violar o sábado e de ser chamado Filho de Deus. Ele realmente dizia que era filho de Deus e também trabalhava nos sábados.
 
d.     Porque de todos os mandamentos do decálogo, somente o sábado não foi repetido como mandamento no Novo Testamento. (Veja o Decálogo em Êxodo 20.1-17). Vejamos:
 
·         Sobre ter outros deuses (Mt 6.24; Jo 4.24; Rm 1.21-24).
·         Sobre imagem de escultura (Mt 4.10; Ap 14.9).
·         Sobre o Nome de Deus (Mt 7.21; Lc 4.46; I Co 12.3).
·         Sobre honrar pai e mãe (Mt 15.4; Ef 6.2; Mc 10.19).
·         Sobre matar (Mt 5.21; Rm 13.9; Tg 2.11).
·         Sobre o adultério (Mt 5.27; Mt 19.18; Tg 2.11)
·         Sobre o furto (Rm 2.21; Rm 13.9; Ef 4.28).
·         Sobre falso testemunho (Mt 19.18; Mc 10.19; Lc 18.20).
·         Sobre a cobiça (Rm 7.7; I Co 10.6; Rm 13.9)
 
e.     Porque os primeiros cristãos se reuniam no domingo (Leiamos Jo 20.19,26; At 20.7; I Co 16.2).
 
f.      Porque guardar o sábado de forma desordenada sempre foi uma abominação (Is 1.13)
 
- Muitos quando estão guardando o sábado dirigem carro. Dirigir carro é trabalho.
- Outros, não estudam, como se estudar fosse um trabalho maior que dirigir carro.
 
g.     A Bíblia diz que guardar dias, meses e anos são rudimentos fracos e pobres, e recomenda que ninguém deve julgar os outros por causa de guardar dias ou não (Vejamos os seguintes textos: Gl 4.9-11; Rm 14.5,6; Cl 2.16).
 
FRANCISCO: Certa vez, um sabatista me mostrou os textos de Lc 4.16; At 17.1,2  e Lc 23.55,56  para provar que Jesus, Paulo e as mulheres guardavam o sábado. Esses textos estão afirmando isso?
 
PR. GILSON: Vejamos o seguinte:
 
a.     O texto de Lc 4.16 diz que Jesus tinha o costume de ir à sinagoga, não diz que ele tinha o costume de guardar o sábado. A mesma coisa diz o texto de At 17.1,2 sobre Paulo.
 
b.     Os judeus só se reuniam aos sábados nas sinagogas, porque eram judeus e guardavam o sábado. É por isso que Jesus e Paulo só podiam ir às sinagogas aos sábados.
 
c.     Com relação às mulheres que descansaram no sábado, conforme o mandamento, elas ainda estavam presas ao pacto entre Deus e o povo de Israel, porém, não as encontramos com tais praticas em todo o restante do Novo Testamento.
 
RUBEM: Quais são outros ensinos heréticos dos adventistas?
 
PR. GILSON: Vejamos:
 
a.     A psicopaniquia: os adventistas ensinam que uma pessoa quando morre, sua alma fica dormindo “um sono da alma”, totalmente inconsciente. A Bíblia refuta isto: 1) Em Ec 12.7 a Bíblia nos diz: “E o pó volte à terra, como era, e o espírito volte a Deus que o deu”. Se o espírito volta a Deus, então ele volta consciente. Por quê? Porque todo espírito é consciente. Vejamos o seguinte: Os anjos são espíritos e são conscientes. Eles não têm cérebro como os humanos, mas são conscientes. Deus é espírito e é consciente. Em Lc 23.34 Jesus disse ao ladrão: “Hoje estarás comigo no Paraíso”. Se o ladrão fosse morrer e ficar inconsciente, como poderia perceber que estava no Paraíso? 2) Em I Pe 3.19 a Bíblia nos diz que Jesus após sua morte foi e pregou aos espíritos em prisões. Isso implica em dizer que o espírito do homem pode ouvir e entender, porque está consciente. 3) Em Ap 6.9-11 a Bíblia nos mostra as almas dos servos de Deus em perfeito estado de consciência, pedindo justiça. 4) Na parábola do rico e Lázaro é possível percebermos o total estado de consciência do homem após a morte (Lc 16.19-31)
 
b.     O aniquilacionismo ou extincionismo: os adventistas ensinam que os ímpios serão aniquilados completamente, ou seja, serão extintos. Para eles, o inferno não é um lugar onde os ímpios padecerão eternamente, mas o lugar onde eles serão aniquilados e deixarão de existir. A Bíblia refuta isto, mostrando que o inferno não é a aniquilação de alguém, mas um lugar de tormento eterno. Basta ver o seguinte: 1) A Bíblia declara a existência do inferno nos seguintes textos: Mt 5.29,30; Mc 9.42-50; Mt 23.33; Mt 10.38. 2) A Bíblia descreve a realidade do sofrimento no inferno nos seguintes textos: Mc 9.43-48; Ap 14.9-11; Ap 20.10,15. 3) A Bíblia diz para quem o inferno foi feito nos seguintes textos: Mt 25.41,46; Ap 20.15. 4) A Bíblia nos mostra que aqueles que forem lançados no inferno não poderão, jamais, passar para o céu no seguinte texto: Lc 19.23-26. Portanto, negar a existência de um tormento eterno é desconhecer os textos sagrados.
 
c.     A devoção e fidelidade às revelações de Ellen White: os adventistas têm a senhora Ellen White, já falecida, como sua profetiza, chegando a equiparar suas profecias com a revelação bíblica. Eles chegaram a afirmar que Apocalipse 19.10 que fala sobre “o testemunho de Jesus é o espírito de profecia” seria uma referência aos escritos de Ellen White. Todos sabemos que as profecias e os escritos de Ellen White foram desmascarados nos Livros: “A mentira branca” (The White Lie) e “A igreja de vidro”, ficando provado que quase todos os seus escritos são plágios.
 
d.     E muitos outros ensinos que são incompatíveis com o que a Sagrada Escritura apresenta.
 
 
Para aqueles que desejam aprender mais sobre esta seita, recomendo uma visita ao site apologético C.A.C.P. (Centro Apologético Cristão de Pesquisa), que pode ser acessado no http://www.cacp.org.br/category/seitas/adventismo/.