O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

17 de julho de 2012

A Síndrome das Mãos Levantadas


A principal dificuldade que encontramos para evangelizar é: entender errado o que significa isso. Existem muitos teóricos que discorrem sobre o tema, cada um tem uma opinião diferente. E Jesus, qual a opinião do mestre? Gostaria de falar de um de nossos erros na evangelização, a famosa síndrome da “mão levantada”
Andamos sempre ansiosos para que isso aconteça quando evangelizamos, queremos ver “mãos levantadas”. Estamos errados, primeiro em considerar que quando alguém levanta a mão dizendo querer aceitar a Jesus, nosso trabalho de evangelista está terminado, ao passo que talvez nem tenha começado. Segundo não entendemos o principal ensino de Jesus, “a grande comissão”.
Quando olhamos para ela, Jesus fala aos discípulos de uma maneira abrangente. Durante mais de 40 dias o mestre explica sobre isso e qual seria a missão de seus escolhidos apóstolos. Ide por todo mundo e pregai, Marcos. Fazendo discípulos em todas as nações, Matheus. Para que os pecados sejam perdoados, Lucas. Aqueles que forem perdoados por vocês serão perdoados, os que não, não serão perdoados, João. Jesus está falando de um único assunto, tudo isso está ligado. Porque então separamos evangelizar e discipular?
Quando dividimos evangelização e discipulado, uns evangelizam e outros discipulam, fragmentamos o trabalho, nem todos se envolvem. Outro efeito dessa divisão é que nosso trabalho se dá por finalizado quando alguém “levanta a mão”. Não foi isso que Jesus nos ensinou. A enfase dos evangelistas não estava nessa divisão, mas sobre, o que, como, o propósito e a urgência dessa ação continuada.
Precisamos aprender a evangelizar da maneira que Jesus nos ensinou. A enfase não está na mão levantada, mas em transformação, mudança de mente, postura. Uma nova maneira de viver e olhar o mundo. O processo como um todo é importante, do início ao final da vida estaremos evangelizando e sendo evangelizados, estaremos nos tornando mais conforme o evangelho e menos conforme nós mesmos.
Temos que produzir mais do que mãos levantadas, precisamos levar as pessoas a um verdadeiro relacionamento com Jesus. Elas não sabem que Jesus quer se relacionar com elas, não sabem que podem aprender a conversar, ouvir e falar com Jesus. Precisamos ensiná-las, desde o primeiro contato que tivermos com elas, como podem se comprometer a obedecer o que Jesus está falando. Isso é muito mais do que uma mão levantada. É a resposta a religiosidade aparente de nosso povo, uma verdadeira espiritualidade.
Essa mensagem encontra-se em
http://www.evangelizabrasil.com/2012/06/27/21553/#more-21553
Acesso em 17/07/2012.