O Pr. Gilson Soares dos Santos é casado com a Missionária Selma Rodrigues, tendo três filhos: Micaelle, Álef e Michelle. É servo do Senhor Jesus Cristo, chamado com santa vocação. Bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional), Campina Grande/PB; Graduado em Filosofia pela UEPB (Universidade Estadual da Paraíba); Pós-Graduando em Teologia Bíblica pelo CPAJ/Mackenzie (Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper). Professor de Filosofia e Teologia Sistemática no STEC. Professor de Teologia Sistemática no STEMES, em Campina Grande - Paraíba. Pastor do Quadro de Ministros da Aliança das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (AIECB). Pastoreou a Igreja Evangélica Congregacional de Cuité/PB, durante 15 anos (1993-2008). Atualmente é Pastor Titular da Igreja Evangélica Congregacional em Areia - Paraíba.

3 de janeiro de 2013

Celibato bíblico e celibato humano


CELIBATO BÍBLICO E CELIBATO HUMANO

Pr. Gilson Soares dos Santos

10  Disseram-lhe os discípulos: Se essa é a condição do homem relativamente à sua mulher, não convém casar. 11  Jesus, porém, lhes respondeu: Nem todos são aptos para receber este conceito, mas apenas aqueles a quem é dado. 12  Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus. Quem é apto para o admitir admita.”

O Novo Dicionário Aurélio apresenta uma definição superficial sobre o termo “celibato”. Diz apenas que é “o estado de uma pessoa que se mantém solteira”.
Em uma visão bíblica e religiosa, porém, é muito mais do que isso. Celibato é a ausência de atividade sexual na vida de um indivíduo.
É preciso saber, antes de tudo, que o celibato não é pecado, mas pode se tornar um pecado. Por isso estudaremos sobre o celibato bíblico (verdadeiro, e que não é pecado), e o celibato humano (que muitas vezes torna-se um pecado).

1 – O que é celibato

É o ato de permanecer solteiro por motivos morais, religiosos ou de consciência.
O termo normalmente se refere aos homens, mas aplica-se igualmente às mulheres, como as virgens vestais do paganismo e às freiras do catolicismo romano.
Não está limitado só ao catolicismo, os monges budistas e outros religiosos praticam também o celibato.

2Quando o Celibato é Bíblico

Vejamos em quais situações o celibato é bíblico, e, portanto, santo.

2.1  - Quando é uma decisão pessoal

Quando uma pessoa decide ser um celibatário por amor ao Reino de Deus. Veja o texto de Mt 19.10-12.

Veja que Jesus fala de eunucos. O que é um eunuco? Uma pessoa que optou pelo celibato. A maioria dos eunucos era composta de homens castrados.

2.2  – Quando o celibatário recebeu o dom para isto.

Veja que Jesus diz em Mt 19.10-12 que é preciso ser apto para isto. Ele está dizendo que o celibato é uma vocação.

Veja o que Paulo diz em I Co 7.7,8

7  Quero que todos os homens sejam tais como também eu sou; no entanto, cada um tem de Deus o seu próprio dom; um, na verdade, de um modo; outro, de outro. 8  E aos solteiros e viúvos digo que lhes seria bom se permanecessem no estado em que também eu vivo.

1.3 – Quando o celibato leva a uma maior santificação a Deus

Afastar-se de uma vida sexual ativa somente por afastar-se não tem proveito algum. É preciso que o celibatário tenha uma vida de muita santificação e aproximação à Deus.

3 – Quando o Celibato não é bíblico

Vejamos em quais circunstâncias o celibato não é uma prática bíblica.

3.1 – Quando é imposto por outros

Ninguém pode forçar outra pessoa a ser celibatária. Não podemos proibir alguém de casar. 

Veja o que Paulo nos diz em I Tm 4.1-5.

1 Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, 2  pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, 3  que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade; 4  pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável, 5  porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado.

3.2 – Quando o celibatário não consegue se conter.

Não adianta uma pessoa optar pelo celibato e não conseguir se conter. Paulo diz que é melhor casar do que viver abrasado (em brasa). (I Co 7.9)

9  Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado.

3.3 – Quando entende o sexo como inerentemente mau.

Não adianta ser celibatário porque pensar que o sexo é algo mau. Detestar esse lado do ser humano não pode ser motivo para o celibato. Pois o sexo não é mau, desde que feito dentro dos padrões da palavra de Deus.

3.4 – Quando o faz por proibição demoníaca

Há pessoas que não casam porque, segundo elas, fizeram um pacto com o demônio ou foram proibidas pelos demônios.

3.5  – Quando leva a desvios sexuais proibidos pela Palavra de Deus

Não adianta um homem tornar-se celibatário e ter desejos homossexuais ou desvios sexuais que são proibidos pela Palavra de Deus.

4 - O erro do Catolicismo Romano

4.1 – A posição Católica

- Questão da natureza física.

- Visão pagã de que o material, o corpo em especial, é mau por natureza (filosofia neoplotiniana).
     
- Busca da santidade para seus sacerdotes e freiras por meio de uma vida de castidade.
     
- Segundo alguns estudiosos, para que os padres e freiras não tenham para quem deixar herança.

O celibato obrigatório leva a grande maldade e pecado, porque impõe aos homens e às mulheres obrigações impossíveis de serem cumpridas.

Paulo mostra que há casais que resolvem separar-se sexualmente para consagração, mas recomenda que não seja por muito tempo (I Co 7.5)

Se alguém deseja ser celibatário, sente que tem um chamado de Deus para isto, sente-se capacitado por Deus para assumir essa posição, então que seja. Mas, definitivamente, não há qualquer grau de pecaminosidade no casamento e, especificamente, no ato sexual praticado pelo marido e a mulher. “Mas, se te casares, não pecas; e, se a virgem se casar, não peca” (1Co 7.28).